sábado, 18 de setembro de 2010

Sidarta

A história de Sidarta Gautama é mesclada de lendas, pois naquela época não havia a preocupação de fazer registros de fatos.

Sabe-se que o Príncipe Sidarta nasceu em Lumbini, região localizada nas planícies de Terai, no norte da Índia, território hoje pertencente ao Nepal. Era filho dos reis da dinastia Sakia.

O reino dos Sakia era uma pequena tribo que estava ameaçada de ficar sob o governo das potências vizinhas, por isso, esperava-se que Sidarta se tornasse um líder político e guerreiro.

Mas, o Príncipe logo demonstrou uma tendência à meditação, ao pensamento filosófico e espiritual.

Seu pai, o Rei Sudoana, providenciou para que Sidarta se casasse cedo e vivesse rodeado de luxo, afastado dos problemas da população. Também deu-lhe treinamento especial em literatura e artes marciais.

Certo dia, ao sair dos domínios do palácio, Sidarta teve contato com a realidade da velhice, da doença, da miséria e da morte: entrou em profunda crise existencial, pois toda sua vida lhe pareceu uma mentira.

Ele descobriu as quatro grandes verdades: a gente nasce, adoece, envelhece e morre.


Aos 29 anos, deixou o seu palácio e iniciou sua busca para atingir a iluminação.

Juntou-se a um grupo de brâmanes dedicados a uma vida ascética, isto é, feita de orações, privações, muita disciplina e mortificações.

Sidarta passou seis anos aprendendo tudo que esses religiosos tinham para lhe ensinar e percebeu que mortificar-se era inútil: levar o organismo a limites extremos de dor e privação não conduzia à compreensão da vida para atingir a libertação do sofrimento. 

Diz a lenda que Sidarta se sentou para meditar sob uma figueira. E entrou em meditação profunda.

Foi assim que Sidarta chegou ao conceito do Caminho do Meio, a busca de uma forma de vida equilibrada, com disciplina suficiente para evitar esses extremos de prazer e dor, pois ambos impediam a clareza de pensamento.

O Caminho do Meio e as Quatro Nobres Verdades :

A Nobre Verdade do Sofrimento
É a existência cíclica dos seres humanos, com sofrimentos e renascimentos incessantes, o que é chamado de Roda da Vida ou Samsara.
" Nascer é sofrer, envelhecer é sofrer, morrer é sofre, estar unido com aquilo de que não gostamos é sofrer, separarmo-nos daquilo que amamos é sofrer, não conseguir o que queremos é sofrer". 

A Nobre verdade da Causa do Sofrimento
O sofrimento não acontece por acaso e não é um castigo imposto por uma entidade suprema.
O sofrimento é fruto do apego ao desejo e ao infinito "querer" do ser humano, que nunca se satisfaz por completo.

A Nobre Verdade da Extinção do Sofrimento
A terceira Nobre Verdade é sobre o modo como o sofrimento pode ser eliminado.
A doutrina budista diz que é possível quando o desejo cessa, um enorme desafio, uma vez que o ser humano vive sempre em busca de mais.
a total cessação do sofrimento é conhecida como Nirvana

A Nobre Verdade do Caminho que leva à Cessação do Sofrimento
É o ensinamento que indica o caminho que leva a cessação do sofrimento e dos renascimentos sucessivos.


Sidarta atingiu a iluminação. assim passou a chamar-se Buda, que significa O Iluminado.


Todos os nossos males vem de uma unica palavra:
O Desejo !  

O Dharma é um dos fundamentos do budismo. Difícil de ser traduzido em poucas palavras, refere-se ao conjunto de ensinamentos deixado por Buda, os quais incluem conselhos morais e regras básicas de meditação e concentração.
Os budistas não acreditam em um ser todo poderoso. Para eles, está na mão dos homens, simples mortais, toda e qualquer decisão da vida.
É um instrumento que guia o ser humano para que ele não ande pelo caminho errado.
É uma ferramenta para as pessoas lutarem contra o sofrimento e quem sabe atingir o Nirvana.
É uma prática diária.


Nas próximas postagens: 
Mantras e Sutras.
Os Cinco Chakras - Espaço, Vento, Fogo, Terra e Água.
EH YAM RAM LAM BAM









2 comentários:

  1. Não desejes: Vive!
    É mais fácil estar aqui!

    Abraço Ratto...

    ResponderExcluir
  2. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir